REUMATOUSP

facebook

Home

Para Pacientes

Sobre as doenças

Reumatologia Infantil

Reumatologia Infantil


Ambulatório de Reumatologia Infantil

Cláudia Goldenstein Schainberg Professora Colaboradora de Reumatologia, Hospital das Clínicas FMUSP
Ambulatório de Artrites da Infância - Reumatologia Pediátrica  

A maioria das pessoas pensa que as doenças reumáticas são exclusivas da população adulta. De fato, muitas das condições conhecidas como "reumáticas" são associadas a doenças degenerativas, como o desgaste de cartilagens, o enfraquecimento muscular e a perda de massa óssea. No entanto, existe um número grande de reumatismos que também pode afetar a população infantil. Essas doenças geram nas crianças sintomas semelhantes aos que afetam os adultos, como dor e rigidez nas articulações e algumas delas podem levar a dano e limitações permanentes comprometendo o futuro do pequeno paciente.  

Acredita-se que cerca de 25% das doenças reumáticas, em geral ocorram em menores que 16 anos de idade nos países desenvolvidos e estima-se que este percentual seja ainda maior nos países do 3º mundo como o nosso, devido a grande associação com baixo nível sócio-econômico de algumas patologias. No Brasil, a Febre Reumática (FR) é a doença reumatológica mais freqüente seguida da Artrite Idiopática Juvenil (AIJ). Outras situações inflamatórias como o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES), a Dermatopolimiosite (DMP), a Esclerodermia (ESP), as vasculites, etc. são também causas importantes de consultas ao reumatologista pediátrico, lembrando ainda das doenças não inflamatórias, como a “Dor de Crescimento”, a Fibromialgia, e a Síndrome da Hipermobilidade. Além disto, não é raro o reumatologista pediátrico ser chamado para opinar em doenças não reumatológicas, como leucemias, anemias, problemas de tiróide, que comumente também podem afetar o sistema músculo-esquelético.  

É importante ressaltar que a cada 100 crianças, 2 vão a consultas médicas devido a queixas reumatológicas. Muitas vezes, a doença demora a ser identificada e a criança passa por no mínimo 4 especialistas diferentes o que pode atrasar o diagnóstico por cerca de até um ano. A depender da causa (doença), o tratamento requer o uso de antiinflamatórios, corticosteróides, antibióticos, e drogas para prevenir a progressão da doença, como imunossupressores e agentes biológicos além de fisioterapia e até mesmo psicoterapia. Desta forma, a avaliação do especialista é indispensável já que há potencial para que estas doenças deixem seqüelas permanentes, mas se forem precocemente bem tratadas, possibilita-se à criança uma vida praticamente normal. 

Dentre as doenças reumáticas mais comuns que afetam a criança, destacamos a febre reumática e a artrite idiopática juvenil. A febre reumática é causada após uma infecção de garganta pelo estreptococo apenas em crianças predispostas à doença. Afeta pacientes de ambos os sexos principalmente dos 7 aos 14 anos de idade, sendo rara em menores que 3 anos. As principais manifestações da febre reumática são febre, dor e inchaço das articulações (artrite), sopro no coração (cardite) e movimentos involuntários rápidos, desordenados e que desaparecem durante o sono, conhecidos como coréia. Sua maior complicação é a cardiopatia reumática que constitui causa importante de morbidade e mortalidade da doença, sendo a mais freqüente indicação de cirurgias cardíacas em adultos no nosso país, mas que pode ser evitada se a doença for tratada corretamente no snetido de erradicar a bactéria da orofaringe, prevenir novas infecções estreptocócicas e suprimir o processo inflamatório sistêmico desencadeado. 

Já a artrite idiopática juvenil é uma doença relativamente rara, mas é apenas uma das centenas de tipos de artrites que podem afetar crianças, e a mais comum: é, de fato, duas vezes mais comum que o diabetes, ocorrendo na proporção de 3 meninas para cada menino afetado. A doença acomete qualquer raça e qualquer idade antes dos 16 anos, mas os picos de maior incidência estão entre 1 a 5 e de 10 a 14 anos de idade. Além das juntas, a artrite idiopática juvenil pode afetar outras partes do corpo como coração, olhos, músculos, tendões, fígado e pele. É uma doença que pode durar anos, com períodos eventuais de remissão e atividade, quando o paciente tem dores e febre. Não é fatal, mas sem tratamento adequado pode levar a complicações para a vida da criança como deixar de utilizar normalmente um membro do corpo como um braço ou uma perna, ou ainda deixar de andar,  e tornando-se dependente da família. No entanto, quando tratada de forma adequada e precocemente, a maior parte das crianças afetadas tem uma vida normal independente e de boa qualidade.  

VOLTAR

Produzido por: Atomica Studio